Católicos e evangélicos, qual a solução do problema (4)?

Onde está a justiça da miséria e das enfermidades de nascimento, uma vez que não são resultado de nenhum ato da vida presente?

Update:

Jéssica - Desculpe se a irritei, mas quem está colocando a culpa em "nosso" Deus é você, admitindo que ele não é justo em deixar pessoas nascerem assi, pense nisso

Update 2:

Sérgio M - Se a pessoa vem ao mundo com um propósito, então seu espírito já existia antes de nascer, não?

Update 3:

Vitor´- O motivo da pergunta ser dirigida a católicos e protestantes é justamente este. Eu conheço a justiça de Deus racionalmente e posso explicar qualquer das 4 perguntas que dirigi a praticantes e crentes nestas religiões, mas gostaria de saber como encaram estas situações. Pela sua resposta devo admitir que não sabe, a única coisa que sabe é defender sua parte material atacando o espiritismo para aumentar seu rebanho

20 Antworten

Bewertung
  • Massa
    Lv 7
    vor 8 Jahren
    Beste Antwort

    Onde está a justiça da miséria e das enfermidades de nascimento, uma vez que não são resultado de nenhum ato da vida presente?

    Mas não existe justiça na miséria, e as doenças não são carmas que devemos cumprir par resgatar males que cometemos em "outras vidas'

    A miséria, a pobreza, tem como causa a exploração do trabalho remunerado com salários de fome, é a marginalização causada pelo capitalismo,aliada à falta de interesse governamental em investir na educação, na saúde publica, no saneamento básico etc.

    As doenças são resultados de nosso metabolismo, de nossa forma errada de alimentar, em não ter hábitos saudáveis de vida, ou em causas genéticas.

    A solução para ambos os problemas não é necessariamente, aliás, não é principalmente religiosa.

    Estas coisas não são questões religiosas, são questões econômicas e sociais.

    É a conscientização da população em votar em políticos que estejam comprometidos com os seus direitos básicos: de moradia, educação de qualidade, de politicas públicas que estejam voltadas para promover o bem estar do povo, e de politicas econômicas que reduzam impostos, valorizem salários. De governos que invistam na melhoria da capacidade da nossa rede de saúde pública para dar condições sustentáveis de atendimento eficaz ao povo, sobretudo aos mais carentes.

  • vor 8 Jahren

    =====================================================================

    Um exemplo pode explicar melhor o que estou dizendo. Numa determinada encarnação, há 800 anos atrás, João, casado com Maria, pai de Carlos, mata num duelo a Pedro, cuja esposa, Carlota, era amante de João.

    Em várias outras encarnações João e Pedro repetirão metaforicamente esse duelo, prejudicando-se e agredindo-se mutuamente, e patinando em sua evolução espiritual, sem conseguirem efetivamente superarem o primeiro ato delituoso. Mesmo com várias encarnações projetadas para que o problema fosse resolvido, os resultados foram infrutíferos.

    Eis que então, é lançado o plano "b'. Já que não conseguiram superar a causa de forma amena, passarão pela prova de fogo: a família. João que em uma encarnação tirou a vida de Pedro deverá agora dar-lhe a vida, e renascerá como sua mãe. Carlota a amante de João, será nesta encarnação também seu amante, o pai de seu filho. Maria e Carlos virão como irmãos de Pedro.

    Uma solução certamente bem diferente da que teria o ato delituoso de João caso se aplicasse a "lei de ação e reação", ou a "lei de talião". Nesse caso João seria assassinado em uma outra encarnação e seu débito estaria saldado. E outra pessoa, o assassino, teria contraído um débito ao violar a lei divina que diz "não matarás". Seria despir um santo para vestir outro.

    Ora, por que então confundimos tanto lei de causa e efeito com lei de ação e reação? Porque ainda não entendemos que justiça é diferente de vingança. A justiça perdoa, leva em conta as circunstâncias, grau evolutivo, conhecimento, intenção. A vingança quer apenas que o outro sofra do mesmo modo como fez sofrer.

    =========================================================================

    Quelle(n): Estudo Espírita
  • vor 8 Jahren

    Morango

    Você tem razão, não é resultado da vida presente. É resultado de um passado remoto, muito remoto.

    O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão [Jesus Cristo] em espírito vivificante. (1 Coríntios 15:45)

    O primeiro Adão escolheu desobedecer a Deus e pecou. Como consequência disto, veio a separação do homem de Deus, a maldição da terra, a morte física e espiritual. Somos descendentes do homem primordial e, por herança genética, temos uma vida conturbada, com doenças, mortes, misérias, e toda a sorte de desventuras. O homem perdeu a sua perfeição inicial como consequência do pecado.

    Inicialmente, Deus disse: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança

    (Gênesis 1:26) Sim, o homem era perfeito. Mas preferiu a rebelião, ou seja, a mesma rebelião que fez com que Deus expulsasse 1/3 das hostes celestiais do céu. Anjos foram transformados em demônios. Estes mesmos demônios que influenciaram negativamente Adão e Eva contra o Criador.

    E eles continuam influenciando a humanidade para o mal, porque odeiam a Deus e lutam contra tudo e contra todos.

    O segundo Adão [Jesus Cristo}, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus,

    Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;

    E, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz. Por isso, também Deus o exaltou soberanamente, e lhe deu um nome que é sobre todo o nome;

    Para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão nos céus, e na terra, e debaixo da terra, E toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para glória de Deus Pai.

    (Filipenses 2:6-11)

    O ladrão [diabo] não vem senão a roubar, a matar, e a destruir; eu [Jesus Cristo] vim para que tenham vida, e a tenham com abundância. (João 10.10)

    Porque, se pela ofensa de um só [Adão], a morte reinou por esse, muito mais os que recebem a abundância da graça, e do dom da justiça, reinarão em vida por um só, Jesus Cristo. (Romanos 5.17)

    Complementando:

    Talvez alguns queiram justificar as vidas sucessivas do homem aqui na terra e os males presentes sejam consequências de vidas pretéritas. Mas, a sabedoria divina, contida na Bíblia, nos ensina que "aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disso o juízo" (Hebreus 9:27)

    Quelle(n): Bíblia Sagrada
  • vor 8 Jahren

    Amigo, Quanto a miséria me parece claro a mensagem de Jesus quanto as riquezas materiais. Ele mesmo poderia ter nascido em berço de ouro mas preferiu nascer entre os pobres, numa manjedoura. Eu posso testemunhar que nascer numa família pobre não é demérito algum, tive muitas dificuldades financeiras na infância e hoje tenho uma vida estável. Deus faz nascer o sol para todos, a sombra cada um que corra atrás.

    Quanto as enfermidades, Jesus uma vez foi questionado pq uma pessoa tinha nascido cega. A resposta Dele foi de certa forma misteriosa ^ Para que nele se manifeste a glória de Deus ^ .

    Se nós homens de bem, fazermos a nossa parte, temos condições de dar uma vida digna a todo ser humano habitante da terra. Por que um deficiente ou enfermo é menor ? Porque nós homens assim julgamos. Aos olhos de Deus somos todos iguais.

  • Wie finden Sie die Antworten? Melden Sie sich an, um über die Antwort abzustimmen.
  • vor 8 Jahren

    Oi Morango...

    Não sou católica e nem evangélica, sou deísta (por enquanto...rsrs), mas vou responder à sua pergunta de acordo com o meu ponto de vista.

    Então, olha o que o Espiritismo prega...uma criança que já nasce com algum problema de saúde( ou na miséria), é por estar pagando por erros passados...Morango, que estrutura emocional uma criança tem para já começar o seu "acerto de contas"? Não era melhor ela chegar a uma certa idade para pagar a tal dívida?

    Eu acredito que Deus não interfere na nossa vida. Ok, crer assim dá até a impressão que Deus é um Ser distante, mas é o que vejo por aí.

    Beijos.

  • vor 8 Jahren

    Não existe uma explicação lógica, ha não ser pela reencarnação, mas, quem ver explicação a não ser pela reencarnação, com certeza também acredita em um (d)eus do velho testamento. Não os críticos, pois, o próprio Governador Espiritual do Planeta Terra disse: Não devemos jogar pérolas aos porcos. Deixando claro que tudo tem seu tempo certo, e hoje quem não acredita na reencarnação são: cegos conduzindo cegos..........

    Um abraço meu amigo.

  • Anonym
    vor 8 Jahren

    Todos já nascem da natureza pecadora. Agora solução de problema é a cura, muito óbvio. Não tente associar com justiça, não adianta nada nascer perfeito e praticar atos injustos. Se fosse assim, Hitler teria razão.

  • vor 8 Jahren

    A justiça da miséria e das enfermidades do nascimento? Eu não sabia que miséria e enfermidades tinham justiça, pra mim essa é nova. Quando você souber formular corretamente uma pergunta eu tento responder, ok.

    SALVE MARIA IMACULADA!:D

  • vor 8 Jahren

    JESSICA,SE ESTAMOS AQUI FAZENDO PERGUNTAS,É PARA MOSTRAR O QUANTO EXISTE PESSOAS SEM RACIOCÍNIO LÓGICO.SE FALOU EM ESPÍRITO ,VOCÊ FALA EM DNA ??? ALTERAÇÕES NO DNA ORIGINA MUITAS COISA,A EXEMPLO,O PRÓPRIO CÂNCER !!! ISTO É A FERRAMENTA USADA PELO ALTÍSSIMO PAR FAZER FUNCIONAR O ROLAMENTO DO ESPÍRITO.VEJA BEM A INCOERÊNCIA DE SEU RACIOCÍNIO. (SEM OFENSA). ALEXAndre,se a vida for só uma,que tesão TENHO EU DE NASCER NA PIOR ENQUANTO CACHOEIRA TA NUMA BOA,EM COMPANHIA DE FHC,F. COLLOR E OUTROS ???QUE JUSTIÇA MAIS EXTRANHA ESTA DE DEUS,NÃO É MESMO???SÓ ESTES CITADOS SÃO SEUS FILHOS ???CLARO QUE O ESPIRITISMO NÃO TEM A VERDADE ABSOLUTA,COMO QUALQUER OUTRA NÃO A TEM CONFORME ALEGAM.MAS É A MAIS COERENTE.BUSCAMOS O CONHECIMENTO SEM SERMOS FANÁTICOS !!!

  • vor 8 Jahren

    Através desses tipos de pessoas Jesus nos mostrou exemplo, como curar leprosos e acolhe los, e ensinar a partilhar para acabar com a fome.

    Eles tem um proposito para mostra o ser humano, que devemos amar o proximo.

Haben Sie noch Fragen? Jetzt beantworten lassen.